Páginas

Olá a todos..... Primeiramente obrigado pela visita ao blog, que possa contribuir de alguma maneira para o conhecimento de todos. Objetivo é falar um pouco de algumas patologias neurológicas e tratamentos fisioterapêuticos. Alguns texto foram retirado dá própria web. Toda críticas e elogios serão bem vindo! Obrigado, e boa leitura... "Conhecimento guardado é conhecimento morto"

Transtorno Desafiador Opositor (TDO)


Este é um transtorno que tem como base padrões de comportamentos negativista, hostis e desafiadores. Crianças que apresentam TDO apresentam tendência a se descontrolar, discutir com adultos, recusar-se a fazer o que lhes é dito, entre outros comportamento de oposição. A literatura apresenta um conjunto de fatores que podem influenciar o aparecimento do problema. Dentre eles, principalmente recomendados com maior frequência, são a psicoterapia individual da criançã, associada a aconselhamento e treinamento parental, entre outros aspectos.
Todas as crianças passam por fases difíceis que muitas vezes poderiam ser descritas como “de oposição”, especialmente quando se está cansado, com fome, estressado ou chateado. Quando eles estão assim podem discutir, conversar, desobedecer e desafiar os pais, professores e outros adultos. Há também momentos no desenvolvimento normal que o comportamento de oposição é esperado, como por exemplo entre dois a três anos de idade ou até mesmo na pré-adolescência. Entretanto, o comportamento hostil se torna uma preocupação quando é freqüente e consistente, que se destaca quando comparado com outras crianças da mesma idade e nível de desenvolvimento e quando ela afeta a família da criança, social e a escola.
Para melhor entender, nada melhor como uma boa definição:
O transtorno de oposição (TDO) é um transtorno disruptivo, caracterizado por um padrão global de desobediência, desafio e comportamento hostil. A criança ou adolescente discute excessivamente com adultos, não aceitam responsabilidade por sua má conduta, incomodam deliberadamente os demais, possuem dificuldade de aceitar regras e perdem facilmente o controle se as coisas não seguem a forma que eles desejam (SERRA-PINHEIRO et al., 2004, p.273).
Em crianças com transtorno desafiador opositor (TDO), geralmente apresentam um padrão contínuo de comportamento não cooperativo, desafiante, desobediente e hostil incluindo resistência a figura de autoridade. O padrão de comportamento pode incluir:
Freqüentes acessos de raiva
Discussões excessivas com adultos, muitas vezes, questionando as regras
Desafio e recusa em cumprir com os pedidos de adultos
Deliberada tentativa de irritar ou perturbar as pessoas
Culpar os outros por seus erros e mau comportamento
Muitas vezes, ser suscetível ou facilmente aborrecido pelos outros
Freqüente raiva e ressentimento
Agressividade contra colegas
Dificuldade em manter amizades
Problemas acadêmicos
Embora não haja nenhuma causa claramente compreendida, acredita-se ser uma combinação de genética, ambiente, incluindo:
Disposição natural de uma criança
Limitações ou atraso no desenvolvimento da capacidade de uma criança no processo de pensamento e sentimento
Falta de fiscalização
Inconsistência ou disciplina severa
Abuso ou negligencia
Desequilíbrio de certas substancias químicas do cérebro, tais como a serotonina
Os sintomas são geralmente vistos em várias configurações, mas são mais perceptíveis em casa ou na escola. Muitos pais relatam que seu filho com TOD estava mais rígido e exigente que os irmão da criança, desde tenra idade.
Este problema é bastante comum, ocorrendo entre 2% e 16% das crianças e adolescente. Em crianças menores é mais comum em meninos, mas durante a adolescência ocorre com freqüência em ambos os sexos. O inicio é geralmente gradual e aumenta a gravidade dos problemas de comportamento ao longo do tempo.
A melhor maneira de tratar um criança com TDO inclui Psicoterapia infantil que abrange técnicas de manejo e modificação do comportamento, utilizando uma abordagem coerente da disciplina e seguir com reforço positivo de comportamentos adequados.
É muito difícil os pais lidarem com estas crianças e adolescentes, por isso é indicado Orientação de Pais para melhor entendê-los além de obterem apoio e compreensão e consequentemente receberem treinamento acerca de habilidades de manejo desta crianças.
O sucesso do tratamento requer empenho e acompanhamento em uma base regular de ambos pais e professores.
As causas do TDO são multifatoriais podem ser: atraso ou limitação no desenvolvimento da criança, desequilíbrio de neurotransmissores, excesso ou falta de regras ou quando são contraditórias.
Uma das melhores formas de ensinar a criança a seguir regras é o sistema de fichas. É discutido com a criança e os pais, os comportamentos desejados (tarefas, objetivos) e escritos em uma cartolina. Cada tarefa, se cumprida, valerá um tanto X de pontos, dependendo da facilidade e do esforço. Todos esses pontos, acumulados durante os dias de intervenção, podem ser trocados por prêmios, que são definidos previamente no começo da intervenção.

Algumas regras importantes para lidar com crianças com TDO:

-    FALE DE PERTO COM A CRIANÇA
-    REGRAS DEVEM SER SIMPLES E AS ORDENS CLARAS
-    PEÇA À CRIANÇA PARA REPETIR AS ORDENS
-    NUNCA ORDENE EM FORMA DE PERGUNTA
-    NÃO DÊ ESPAÇO PARA UMA NEGATIVA
-    NÃO CONVERSE NA HORA DA RAIVA
-    ELOGIO E RECOMPENSA SÃO SEMPRE MAIS ADEQUADOS QUE A PUNIÇÃO PARA MODIFICAR COMPORTAMENTOS, MAS ISTO DEVE SER PLANEJADO COM ORIENTAÇÃO DE UM PROFISSIONAL CAPACITADO.
-    AS RECOMPENSAS NÃO PRECISAM SER MATERIAIS, EXIGINDO GASTOS
-    NÃO TENHA MEDO DE DIZER NÃO 
-    TOLERE A FRUSTRAÇÃO DE SEU FILHO
-    REFORCE PEQUENOS AVANÇOS DE COMPORTAMENTOS ADEQUADOS
-    CONCEDA A SEU FILHO O DIREITO DE COMETER ERROS
-    CONCEDA A SI MESMO O DIREITO DE ERRAR E NUNCA DESISTA



Referência bibliograficas:


*DSM-IV-TR
*Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad. Claudia Dornelles; 4 ed. rev. Porto Alegre: Artmed. 2002.  
SERRA-PINHEIRO, Maria Antonia; SCHIMITZ, Marcelo; MATTOS, Paulo et al. 
*Transtorno desafiador de oposição: uma revisão de correlatos neurobiológicos e 
ambientais, comorbidades, tratamento e prognóstico.  Revista Brasileira de 
Psiquiatria, v.26, n.4, p273-276. Dez. 2004.  
SERRA-PINHEIRO, Maria Antonia; GUIMARÃES, Márcia; SERRANO, Maria Esther. 
*A eficácia de treinamento de pais em  grupo para pacientes com transtorno 
desafiador de oposição: um estudo piloto. Revista Psiquiatria Clínica, 2005, v.32, 
n.2, p.68-72.
Fontes da internet.


35 comentários:

  1. nesse ano estou trabalhando com um aluno assim e esta muito dificil, alem do trastorno acho que lhe falta algo mais , peço que se tiver mais alguma coisa para contribuir me ajude ele é muito agressivo com palavras , nao para sentado , mais quando eu dou um pouco de carinho percebo que ele pode ser meigo e docil,pois ja tem 13 anos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheça meu blog onde descrevo meu dia a dia com meu filho que tem TDO. Talvez possa ajuda-lo.

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Sandra

      Excluir
    2. Também sou professora do municipio, e estou com um menino de 4 anos, que semana passada jogou um amiguinho de cima do parquinho, este veio de cabeça no cimento, sorte que eu estava perto e pulei para segurar o menino que caía.Acho que as crianças com TDO não
      sabem expressar sentimentos é verdade?

      Excluir
  2. Meu marido tem TDAH e, nosso filho de 9 anos tem TDAH com comorbidade de TOD. É muito difícil lidar, aceitar e conviver com eles. Como mãe me sinto frustrada e incapaz. Estou cansada. Já pensei inúmeras vezes de desistir dos dois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando li pensei que era minha esposa escrevendo, mas a idade do filho era diferente, 13 anos.
      Não tenho TDAH mas certamente tive o TOD não diagnosticado na infância e como tenho 51 anos juitos hábitos negativos já se instalaram, tornando difícil a convivência em família.
      Tento tornar meu filho uma versão melhorada de mim mas falho muito. Repreendo o comportamento abusivo, desafiador, rebelde e questionador com ameaças mas me frustro a maior parte das vezes. Ele vai até tirar o pior de mim. As vezes ainda bato, mesmo sabendo que não adianta como medida corretiva, aumenta ainda mais a raiva e afeta a auto estima, que é bem baixa por sinal, mas não consigo evitar quando a afronta à autoridade ou regras estabelecidas é violada por tanto tempo. Tento ignorar as afrontas, malcriações, enfim, comportamento inaceitável por 3 horas, mas sou humano, paciência tem limite e não é o meu forte.
      São 4 filhos, este de 13,,uma menina de 11, que ele morre de inveja e ciúmes, o alvo constante das implicâncias e maus tratos, um de 10 anos que é o mais companheiro dele mas se engalfinham frequentemente, e um de 7 anos, que também tem traços de muito nervosismo e dificuldade em seguir regras.
      Como você escreveu, é desanimador a convivência e sempre penso em sumir. Já levei toda a família para terapia sistêmica familiar, mas a minha esposa sabotou e acabamos largando. Será que tem solução? Vivo de mau humor por conta deste relacionamento tão difícil.

      Excluir
    2. Conheça meu blog onde descrevo meu dia a dia com meu filho que tem TDO. Talvez possa ajuda-lo.

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Sandra

      Excluir
    3. Não te conheço, mas te digo que para Deus nada é impossível se vc tem fé procure Deus, pois já passei por momentos parecidos e te digo que só estou encontrando forças nele.

      Excluir
  3. Gente, Estou emfrentando muitos problemas com meu filho também, ele esta com a tal TDO, sei que é dificil mas é importe lembrar a cada segundo que cada um de nós nunca está sozinho, rezem e tenham fé, não percam nunca a esperança e mudem a maneira de ver o mundo. A noite vejam as estrelas e imaginem o quanto vasto é o universo e o que existe por detras dele, Lembrem-se de que Deus Existe e que a força da fé é fortissima...

    Fiquem com Deus , Que Deus abençoe a todos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheça meu blog onde descrevo meu dia a dia com meu filho que tem TDO. Talvez possa ajuda-lo.

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Sandra

      Excluir
  4. Faço mediação escolar (Tijuca) com uma criança de 6 anos de idade com diagnostico TDO. A mae da aluna esta dificultando a intervenção da equipe e não segue tratamento. A minha proposta e encaminha-las para um grupo de atendimento para criança e seus familiares. Gostaria de uma orientação e direcionamento sobre o serviço infanto-juvenil no município do Rio de Janeiro.

    Grata,
    Mariana Maciel.
    e-mail: marianamacielvieira@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  5. obrigada,
    por vocês existirem e por terem dado seus depoimentos.Apeguem se a uma religião ou doutrina de Jesus Cristo e tenham fé em Deus. Tenho um aluno com TOD. Mas lá na escola quem atrapalha o meu trabalho com ele são algumas professoras maldosas que ao invés de me ajudar criticam e colaboram para que O ALUNO fique irritado com suas atitudes (Elas fingem que não entendem o problema dele) piorando a situação.
    Que o Senhor Jesus nos abençoe e nos guarde sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheça meu blog onde descrevo meu dia a dia com meu filho que tem TDO. Talvez possa ajuda-lo.

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Sandra

      Excluir
  6. Ola! Realmente so Deus para renovar nossas forcas e acrescer nossa vida com mais paciencia para lidar com essa comorbidade.
    Creio na Cura atraves de Deus, pois para ele nada e impossivel.
    Deus e sempre convosco!

    ResponderExcluir
  7. tenho um sobrinho com a tal de tod.....meuDEUS e uma coisa de louco,nao sabemos nem a quem mas recorer.....nos ajude,,,,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia,
      gostaria que conhecessem meu blog onde conto meu dia a dia com meu filho que tem Transtorno Desafiador Opositivo (TDO). Vamos ajudar outros pais que passam pelo mesmo problema e educadores que tem alunos com TDO:

      transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br

      Obrigada, muita luz a todos,

      Sandra R. Pereira
      São José do Rio Preto - SP

      Excluir
  8. Meu filho foi adotado com 1 ano e 9 meses e segundo o que sei a genitora usou crack na gestação.
    Era uma criança comum com as birras e manhas próprias da idade. Ajudamos ele a vencer o egoísmo com os brinquedos, a dificuldade de fazer amigos e víamos as reações dele como algo normal, próprio da idade.. Mas na escola as reclamações eram e ainda são constantes desde os 3 anos (hoje ele está com 6), sempre se opondo as regras e as tarefas, sendo agressivo com quem tentasse colocar limites, desorganizado ao extremo com os materiais, destruindo materiais dele e de outros.

    Ele nos agredia verbalmente e fisicamente constantemente e percebemos que só o amor, os cantinhos do pensamento, as conversas e as perdas de brinquedos e passeios não estavam funcionando, passamos a corrigi-lo com severidade, na esperança de resolver, brigamos, xingamos, demos castigos mais duradouros e corretivo com tapas e aconteceu que ele desenvolveu um receio de nossas repreensões, no entanto na escola ele nunca teve receio nenhum das repreendas das professoras e colaboradores, o desafio é constante, a negação para fazer e o enfrentamento também.

    Eu e meu marido sempre fomos carinhosos e firmes, nunca demos coisas que ele não merecesse, sempre cumprimos o que prometemos, falamos a mesma linguagem e conversamos muito com ele. Temos momentos de lazer em família constantemente. Quando chega em casa depois de um dia de aula, repreendemos, ele chora pedi perdão, diz que nunca mais vai fazer, diz que nos ama, que não quer nos chatear e promete fazer melhor no dia seguinte, mas não faz. Demos vários castigos, negociamos passeios, prêmios, treinamos as lições para ficar mais fácil, colocamos uma rotina para tentar vencer a ansiedade, colocamos na natação, oramos juntos, levamos na psicóloga, fizemos avaliação no caps que conclui que ele não tem problema e nos encaminhou para psicologia familiar, ouvimos no caps que asprofessoras devem saber se impor assim como eu e meu marido conseguimos em casa.
    Dia após dia é a mesma coisa, e parece até que está piorando. Em casa ele aprendeu que eu e o meu marido estamos no comando e a convivência entre nós é normal, agradável e harmônica, mas os problemas da escola estão abalando esta harmonia.
    Ele aprende qualquer coisa com rapidez, mas não é um gênio, está dentro do padrão da idade. Diz que não gosta de escrever, que não gosta de escola.
    Hepl-me

    email: renatapfarias@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho uma história parecida c a sua meu filho tbm tem 6 anos faz 7 mês q vem, apenas agora diagnostiquei que ele tem esse problema esta tomando uma medicação receitada pela neuropediatra e vou começar o tratamento c a psicóloga, mas te digo p/ não desistir e acreditar com fé que Deus pode cura-lo, pois acredito que com o tratamento e com benção de Deus meu filho ficará bom, fui buscar a igreja pois não sabia mais o que fazer e depois fui ao médico, hoje vejo que tem solução.

      Excluir
    2. Bom dia,
      conheça meu blog sobre o Transtorno Desafiador Opositivo na minha vida e na do meu filho. Ele tem 8 anos e tem TDO. Ontem escrevi sobre:
      * A morte para meu filho
      * Reunião de escola
      * Saudade...

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Obrigada,

      Sandra R. Pereira

      Excluir
  9. Crianças de Casa Abrigo, Abandonadas por pais, ou criadas um tempo com a avó o outro com os tios, são crianças e adolescentes suscetíveis a ter transtornos emocionais. Pois não conseguiram definir bem a figura de autoridade do pai ou da mãe. Mesmo que leve ou moderada. A diferença e muitos profissionais da sáude ou até do judiciário não sabem diagnostica o problema. Muitas vezes há até uma recusa da família tutora em cria-los, pois quando pedem algum orientação, acabam frustradas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia,
      conheça meu blog sobre o Transtorno Desafiador Opositivo na minha vida e na do meu filho. Ele tem 8 anos e tem TDO. Ontem escrevi sobre:
      * A morte para meu filho
      * Reunião de escola
      * Saudade...

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Obrigada,

      Sandra R. Pereira

      Excluir
  10. Conheço crianças e adolescentes que superaram o TOD, mesmo morando num abrigo longe da família. E tantos outros traumas.
    O segredo é não ser autoritária, ser sempre objetiva, e outras coisas.
    A oração de um justo pode muito em seus efeitos.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Quero parabenizá-lo pela iniciativa de escrever uma matéria sobre esse assunto e aproveito para pedir que leiam meu blog sobre o meu dia a dia com meu filho que possui o Transtorno Desafiador Opositivo. Quero que saibam que é possível a melhora e que é possível ser feliz com uma criança com TDO:
    http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ótima matéria! Esse ano estou com um aluno com esse transtorno, esta sendo complicado, mas estou sempre em busca de orientações e informações que possam ajudar-me a entender e compreender o meu aluno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheça meu blog onde descrevo meu dia a dia com meu filho que tem TDO. Talvez possa ajuda-lo.

      http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

      Sandra

      Excluir
  14. Bom dia,
    conheça meu blog sobre o Transtorno Desafiador Opositivo na minha vida e na do meu filho. Ele tem 8 anos e tem TDO. Ontem escrevi sobre:
    * A morte para meu filho
    * Reunião de escola
    * Saudade...

    http://transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br/

    Obrigada,

    Sandra R. Pereira

    ResponderExcluir
  15. Gente, socorro. Acabei de receber a notícia que minha filha está com essa tal TDO. O que eu faço? Estou perdida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia,
      gostaria que conhecessem meu blog onde conto meu dia a dia com meu filho que tem Transtorno Desafiador Opositivo (TDO). Vamos ajudar outros pais que passam pelo mesmo problema e educadores que tem alunos com TDO:

      transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br

      Obrigada, muita luz a todos,

      Sandra R. Pereira
      São José do Rio Preto - SP

      Excluir
  16. Bom dia descobri ontem depois de várias avaliações que meu filho tem TDO preciso de orientação meu marido aparentemente tem tbm e e ansiososo e TDAH .....procurei especialista de outro estado pq estava diagnosticado como TDAH e agora essa notícia não sei oq e pior !!! Está na mão de Deus se tiverem alguma orientação por favor angelabittarksa@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia,
      gostaria que conhecessem meu blog onde conto meu dia a dia com meu filho que tem Transtorno Desafiador Opositivo (TDO). Vamos ajudar outros pais que passam pelo mesmo problema e educadores que tem alunos com TDO:

      transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br

      Obrigada, muita luz a todos,

      Sandra R. Pereira
      São José do Rio Preto - SP

      Excluir
  17. Meu filho tem 13 anos. Há 4 anos ele faz terapias e so agora descobrir que ele tem tdo. Ele e muito agressivo em casa e na escola, eu e meu marido temos tentativa de tudo para ter melhoras. So agora encontrei uma psicopedagoga na escola que entende desse problema e esta nos ajudando muito. Graças a DEU S, cremos que alcançaremos a vitória dele.

    ResponderExcluir
  18. Meu filho foi diagnosticado essa semana, após avaliação com uma neuropsicóloga com TDO, TDAH e dislexia. Em 2012 ele ficou 3 meses hospitalizado e nesse tempo, 1 mês em coma e o restante do tempo dormindo devido a uma encefalite que evoluiu para uma doença auto-imune chamada mielinólise pontina e extrapontina que é a destruição da membrana branca que envolve o "caminho" entre os neurônios. Os médicos diziam que ele levaria uns 10 anos para voltar desse estado, mas por milagre ele acordou. Começou demonstrando que estava enxergando ao me seguir com os olhos e alguns dias depois, começou a falar repetindo o que dizíamos como um papagaio. Sua memória foi voltando aos poucos. Ele saiu do hospital de cadeira de rodas, pois a parte motora foi a mais afetada. Porém em pouco mais de 1 mês, com tratamento fisioterapeutico e equoterapia ele andou.
    Ele tinha 5 anos quando esse problema aconteceu. Hoje com 7 anos, se comporta com uma criança de 4, não acompanha as crianças de mesma idade na escola. Ele era muito esperto e agil antes da doença e agora tem muita dificuldade e só realiza, com ajuda, o que lhe desperta interesse.
    Em casa seu comportamento é de enlouquecer. Mexe em tudo, faz muita bagunça, foge pra rua e entra na casa dos vizinhos. Moro em uma cidade bem pequena e todos o conhecem e me avisam onde ele está quando saio para procurá-lo. Nós somos rígidos com ele, deixamos de castigo, as vezes perdemos a paciência e batemos (o que o deixa mais agressivo) e usamos chantagem, muita chantagem, que funciona na maioria das vezes. Mas temos que ficar repetindo o tempo todo. Tipo: se não se comportar não vai na natação...
    Vou iniciar agora as terapias indicadas e espero que dêem resultados.
    É muito difícil!

    ResponderExcluir
  19. Bom dia,
    gostaria que conhecessem meu blog onde conto meu dia a dia com meu filho que tem Transtorno Desafiador Opositivo (TDO). Vamos ajudar outros pais que passam pelo mesmo problema e educadores que tem alunos com TDO:

    transtornodesafiadoropositivo.blogspot.com.br

    Obrigada, muita luz a todos,

    Sandra R. Pereira
    São José do Rio Preto - SP

    ResponderExcluir
  20. boa tarde!
    estou com uma paciente e estou com dificuldade em fazer o meu diagnóstico. Estou em dúvida entre Borderline e TDO. Os sintomas são bem parecidos. Mas na verdade estou atendendo-a fazem 4 meses e estou estudando uma forma mais precisa e um diagnóstico mais preciso. Alguém indica alguma leitura?

    ResponderExcluir
  21. Conheçam meu site onde conto meu dia a dia com meu filho que tem Transtorno Desafiador Opositivo. Tem ainda artigos e entrevistas com profissionais da saúde.

    www.transtornos.org

    ResponderExcluir